Cuidados paliativos: a arte do cuidado

Publicada 31/01/2019

Dra. Cristiana Savoi, docente da Faculdade Unimed, produz artigo sobre esse cuidado necessário e urgente para quem vive com doenças crônicas e debilitantes 

Cuidados paliativos: a arte do cuidado

Por Cristiana Savoi
Médica de clínica geral e coordenadora da pós-graduação em Cuidados Paliativos da Faculdade Unimed

A máxima “acrescentar mais vida aos seus dias e não só mais dias à sua vida” ilustra bem a proposta dos cuidados paliativos. Essa abordagem de assistência busca oferecer cuidado  humanizado e amplo para pessoas portadoras de doenças graves e ameaçadoras da vida.

Essa prática, mundialmente consolidada e oferecida como pilar de qualidade, teve sua importância reconhecida e legitimada pelo Ministério da Saúde, por meio de resolução da Comissão Intergestores Tripartite (CIT), publicada no Diário Oficial da União em 23 de novembro de 2018. O documento pontua a necessidade da adoção dos cuidados paliativos (CPs) no Sistema Único de Saúde (SUS) e traça diretrizes para o desenvolvimento da área nos três níveis de decisão: municipal, estadual e federal. Na saúde suplementar ainda não há regulamentação oficial para a área de atuação, apesar de já ser disponível em alguns cenários do setor privado.

No entanto, segundo um estudo publicado pela Academia Nacional de Cuidados Paliativos (ANCP), a oferta de cuidado paliativo no País ainda é muito insuficiente para atender à crescente demanda.

Para melhorar esse cenário é preciso investir na formação de profissionais de saúde para que sejam capazes de lidar com o sofrimento dos pacientes e que busquem prioritariamente a melhoria da sua qualidade de vida. O profissional paliativista precisa de qualificação técnica e conhecimentos específicos, tem que ter empatia, ter disponibilidade para acompanhar - com dedicação e comprometimento - paciente e família durante a trajetória da doença, ser catalisador de ações que possibilitem a ressignificação da vida, atuando em equipe multidisciplinar, pautado por humanidade e compaixão. A função é complexa e exige treinamento aprofundado. 

É fundamental ter habilidade para se comunicar de forma clara e sensível diante de circunstâncias altamente estressantes e difíceis, sabendo manejar eventuais conflitos e facilitando a tomada de decisões relativas ao fim de vida. Além disso, os pacientes enfrentam não só a dor física e as limitações impostas pela doença, mas também problemas psicológicos, espirituais e sociais. Por isso, os cuidados paliativos são de responsabilidade não apenas do médico paliativista e precisam envolver enfermeiros, psicólogos, nutricionistas, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, dentistas, terapeutas ocupacionais e assistentes sociais, dentre outros. 

Os profissionais paliativistas têm seu foco no alívio de sintomas desconfortáveis e no máximo bem-estar possível. O objetivo é zelar pela dignidade do indivíduo que se encontra vulnerável pela doença, com respeito à sua autonomia. As prioridades são definidas pelos pacientes, de acordo com suas crenças e valores pessoais, e as decisões são compartilhadas de modo honesto e claro. Na visão do médico espanhol Marcos Gómez Sancho, “os paliativistas são os obstetras da alma”. É cada vez maior o número de profissionais de saúde interessados no tema. 

Cuidado paliativo é sinônimo de alívio do sofrimento, tanto do paciente quanto da família, que se estende aos amigos próximos. Esse cuidado é necessário, urgente e imprescindível para todos aqueles que vivem com doenças crônicas e debilitantes. Durante todo o percurso, até o fim. 




ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Semana passada

Turma de Curta Duração em Governança Corporativa e Compliance

LER POST
Semana passada

21º Comitê Nacional de Integração – CONAI 2019

LER POST
Semana passada

Portal do Aluno – Facilidade para acessar os Serviços da FU

LER POST