O que é e como reduzir a sinistralidade em OPS

Publicada 31/08/2022

A gestão da sinistralidade é um tema de grande importância para a saúde suplementar, uma vez que se trata de um índice crucial para gestão financeira destas instituições.

Para ser bem-sucedido nesta área, é preciso entender o que é e quais são as melhores estratégias para reduzir a sinistralidade e manter a qualidade da assistência oferecida aos pacientes. E é isso que nós vamos abordar no post de hoje. Continue lendo e saiba mais sobre o assunto!

 

O que é sinistralidade?

Toda vez que um beneficiário faz uma consulta, vai ao pronto-socorro ou realiza um exame, há um custo na prestação destes serviços. A sinistralidade vai calcular a diferença entre o valor pago pelo beneficiário e o quanto ele gasta ao usar o seu plano de saúde, ou seja, a relação entre o uso dos serviços médicos pelos clientes e a receita recebida pelos seus contratos.

Já o valor aceitável deste índice deve ser estabelecido por cada empresa e vai variar a depender do porte, região e serviços ofertados.

Este cálculo é essencial, uma vez que ele permite que a empresa tenha maior sustentabilidade e mantenha as suas finanças em um patamar saudável, permitindo maiores investimentos em novas tecnologias, treinamento dos profissionais de saúde e expansão dos serviços oferecidos.

Ao precificar seus planos, as operadoras já colocam o índice de sinistralidade esperado no contrato e reajustes podem ser feitos caso os usuários ultrapassem esse valor, no entanto, diante do cenário econômico atual, o aumento de preços pode gerar uma fuga de clientes e, por isso, não é necessariamente a melhor a opção. Abaixo, veja outras formas de diminuir o sinistro.

 

Como diminuir os índices de sinistralidade?

Como vimos, o sinistro está diretamente relacionado ao uso dos serviços de saúde oferecido. Para diminuí-lo, é possível usar diferentes estratégias, tais como:

  1. Fortalecer a atenção primária: de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde, as principais causas de morte entre 2000 e 2019 foram doenças crônicas não transmissíveis. Investir na prevenção e no cuidado, especialmente no caso de pacientes crônicos, garante maior qualidade de vida para os beneficiários e menor necessidade de intervenções tais como cirurgias e internações.
  2. Realizar auditorias: para diminuir a sinistralidade, é preciso compreender por que ela está acontecendo. Ao realizar auditorias, é possível entender se o número de exames solicitados é compatível com a necessidade dos pacientes, evitar o mau uso de equipamentos e a realização desnecessária de procedimentos de saúde. A utilização mais racional dos recursos do hospital diminui os custos e reduz as chances de iatrogenia, preservando a saúde dos pacientes.
  3. Acompanhar de forma mais assertiva o sinistro: com o avanço da tecnologia, é possível extrair uma quantidade enorme de dados dos hospitais e clínicas, o que muitas vezes torna a sua interpretação difícil. Utilizar ferramentas e softwares específicos para o cálculo e interpretação da sinistralidade é uma maneira eficaz de entender melhor o cenário da operadora e aplicar as melhores estratégias.
  4. Investir em campanhas de prevenção: em continuidade ao item anterior, a prevenção é a melhor forma de evitar sinistros e aumentar a qualidade do cuidado. Conscientizar os usuários sobre os malefícios do cigarro, consumo excessivo de álcool, má alimentação e sedentarismo é uma maneira eficaz de evitar o surgimento de agravos que podem exigir um grande número de intervenções no futuro.

 

Quer saber mais? Conheça as soluções da Faculdade Unimed!

Com o objetivo de apoiar as singulares na melhoria do índice de sinistralidade, mudanças nas normas regulatórias, verticalização, negociação com mercado de saúde e incorporação de novas tecnologias em saúde, a Faculdade Unimed desenvolveu diversas soluções como:

  • Diagnóstico e avaliação de riscos e as oportunidades na operação de planos de saúde e serviços próprios de cada singular do sistema;
  • Programas educacionais para equipes gerenciais e assistenciais;
  • Pós-graduação em Auditoria em Saúde;
  • Assessoria de estruturação de áreas de auditoria e regulação;
  • Mentorias nas áreas de regulação, negociação e gestão de Serviços Próprios.

Para conhecer mais nossas soluções e entender qual é a melhor para a sua singular, participe da próxima edição do webinar Conecta Faculdade Unimed!

Online e totalmente gratuito, vai abordar com mais profundidade a questão do sinistro e apresentar o nosso portfólio de produtos para a Gestão de Sinistralidade.

O evento contará com a participação do dr. Helton Freitas, do dr. Sérgio Bersan e da dra. Andréa Marília, e será realizado às 16h, do dia 13/09. Clique aqui e se inscreva!




ÚLTIMOS POSTS

Semana passada

Afinal, o que é e como funciona a auditoria médica?

LER POST
26/08/2022

Previdência Privada: conheça esta opção de investimento!

LER POST
15/07/2022

Julho Neon: a relação entre saúde bucal e saúde geral

LER POST