Entenda a importância de se trabalhar com a saúde do idoso

  • Home
  • Blog
  • Saúde
  • Entenda a importância de se trabalhar com a saúde do idoso
Publicada 24/09/2019

Em cinco anos, a população idosa do Brasil cresceu 18%, saltando de 25,4 milhões em 2012 para 30,2 milhões em 2017. Como essa é a faixa etária que mais cresce no país, é natural que os olhares estejam voltados para a saúde do idoso. É imprescindível criar políticas públicas para essa parcela da população e investir em especialização para os médicos.

Neste post, conversamos com o coordenador da pós-graduação em Geriatria e Gerontologia da Faculdade Unimed, professor Renato Peixoto Veras. Após a leitura, você entenderá a importância e quais cuidados devem ser dispensados a essas pessoas. Descobrirá também como se encontra o mercado da Geriatria e Gerontologia no país e como os profissionais que desejam atuar nessa área podem se especializar. Boa leitura!
 

Por que ter atenção à saúde do idoso


A chegada aos 60 anos marca, oficialmente, o início da terceira idade. Esse período também é conhecido por ser aquele em que aparecem os primeiros sinais dos desgastes orgânicos do corpo. "Na juventude, uma doença comum pode se curar praticamente sozinha. Mas o passar dos anos mostra a necessidade de cuidar, de forma mais frequente e detalhada, de uma pessoa de mais idade", ressalta o coordenador da pós-graduação em Geriatria e Gerontologia da Faculdade Unimed. 

Quando se alcança a faixa dos 50 anos ou mais, por exemplo, aumentam os casos de pessoas hipertensas, diabéticas e portadoras de outras doenças crônicas. As principais dificuldades que essas enfermidades impõem são as evoluções desses quadros.

Sabendo que esse desgaste natural ocorrerá, é essencial pensar em criar uma política de prevenção ou, pelo menos, de monitoramento. Dessa forma, muda-se a perspectiva de curar. O anseio é por prevenir e estabilizar as doenças, permitindo que a pessoa viva os seus próximos anos com qualidade de vida.

Para que isso aconteça, o ideal é que o idoso seja acompanhado periodicamente por uma equipe multidisciplinar, envolvendo médicos, enfermeiros, fisioterapeutas e outros profissionais. Também é fundamental realizar exercícios físicos de acordo com a possibilidade de cada um, além de manter uma alimentação saudável e adequada.
 

Os cuidados essenciais com a saúde do idoso


A maioria dos problemas de saúde que ocorrem na velhice têm origem genética, mas eles podem ter relação também com outros fatores, como o estilo de vida. Em todos os casos, o médico deve orientar o paciente com os cuidados que ele deve tomar para prevenir doenças. 

Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia divide a prevenção em três níveis. A prevenção primária é tudo aquilo que o idoso pode fazer com a intenção de reduzir problemas de saúde antes que eles ocorram. Por exemplo, a imunização frequente, por meio de vacinas e outros métodos, bem como a prática de exercícios físicos e a alimentação equilibrada.

A prevenção secundária são as ações para detectar um problema de saúde em estágio inicial. Esse cuidado facilita o diagnóstico precoce e o seu tratamento correto, evitando que a doença avance e prevenindo consequências a longo prazo. Para isso, é importante fazer exames de rotina e rastreamentos de câncer, principalmente de mama e de próstata, por exemplo. 

Já a prevenção terciária são os cuidados realizados para diminuir os prejuízos funcionais consequentes de doenças crônicas. Essas ações permitem que o paciente tenha uma reabilitação e aprenda como se cuidar para evitar novos impactos à sua saúde ou o desenvolvimento de outros problemas correlacionados. Um exemplo é a recuperação após um infarto ou acidente vascular cerebral.
 

Os 4 principais desafios no atendimento de pacientes idosos


A atenção à saúde do idoso toca em pontos sensíveis, como a confiança desses pacientes e a necessidade de comprometimento por parte dos profissionais. Confira, a seguir, quais são os principais desafios desse atendimento:

1. Ser versátil
A pessoa que trata de idosos precisa ter uma mentalidade ampla, por isso, é essencial ser comunicativo, disposto e adaptável a mudanças. Sendo assim, a área é boa para quem gosta de ser desafiado, de ler e de estudar.

2. Ter comprometimento
A área exige do profissional um olhar carinhoso e atento. O médico deve ter em mente que, sem a ajuda e o amparo que ele pode oferecer, as doenças podem progredir, e a qualidade de vida desse idoso diminuirá. Portanto, esse compromisso social também é importante para o bom desempenho do geriatra ou gerontólogo.

3. Reunir uma equipe multidisciplinar
O cuidado com a saúde do idoso deve ser amplo, e é indispensável que haja uma equipe multidisciplinar para tratar desse paciente. Desse modo, o médico e os demais profissionais da saúde devem estar integrados. Além disso, o contato com a família precisa ser constante.

4. Criar laços de confiança com o idoso
A confiança e a familiaridade são fundamentais para o tratamento do idoso, afinal, os pacientes esperam que o médico seja gentil e carinhoso com eles e que se solidarize com a sua situação. A relação baseada na confiança e com uma comunicação clara permite que o idoso compreenda o seu caso e entenda qual é o tratamento adequado. 
 

Como se dedicar à promoção e prevenção da saúde do idoso


A mudança no currículo das faculdades de Medicina ainda é pequena. Por isso, a especialização é a melhor alternativa para quem quer se dedicar à saúde da terceira idade. As vantagens de cursar uma pós-graduação na área são:

  • estudar casos específicos com foco na saúde dos idosos;
  • criar uma rede de contato com pessoas que têm interesses afins;
  • conhecer oportunidades de mercado;
  • estar em contato com profissionais especializados e com experiência no assunto.
     
Pós-graduação em Geriatria e Gerontologia


No curso da Faculdade Unimed, por exemplo, o foco não é só a Geriatria, mas também a Gerontologia. Apesar de próximas, essas duas áreas da Medicina são diferentes e, quando trabalhadas em conjunto, podem trazer resultados ainda mais satisfatórios para o paciente. Essas práticas profissionais vêm ao encontro das necessidades e do número de idosos que continua crescendo. Portanto, a expectativa é que, a partir dessas duas áreas, os futuros idosos recebam um atendimento melhor. 

A Geriatria é uma especialização em saúde do idoso. Esse campo de atuação se preocupa com a relação da doença e sua funcionalidade. O médico geriatra realiza avaliações clínicas e psicossociais para cuidar de casos de hipertensão arterial, osteoporose, mas também de outros problemas com múltiplas causas.

Já a Gerontologia é a ciência que estuda o envelhecimento nos aspectos biológicos, psicológicos e sociais. O foco dessa área é a intervenção e a prevenção de futuros problemas de saúde. Desse modo, ela busca garantir e proporcionar melhor qualidade de vida para os idosos. Os profissionais de gerontologia podem ter formação diversificada e, frequentemente, trabalham em conjunto com geriatras.

"Chegar aos 80, 90 ou 100 anos se tornou algo praticamente comum e natural. O papel do médico ou do gerontólogo e dos profissionais de saúde é oferecer qualidade de vida apesar da doença que, possivelmente, boa parte da população terá", aponta o professor Renato Veras.

A pós-graduação da Faculdade Unimed conta com professores extremamente capacitados e é destinada a médicos e não médicos que se importam com os cuidados básicos necessários à população idosa para que o envelhecimento não seja visto como um problema.

Esperamos que este conteúdo tenha ajudado você a entender mais sobre o tema. Se deseja saber como se especializar em saúde do idoso, não deixe de entrar em contato conosco!


Fale com a Faculdade Unimed

Entre em contato pela central de atendimento
clicando aqui ou ligue para: 0800 702 1301



ÚLTIMOS POSTS

Há 3 dias

Os 5 tipos de tomada de decisão na área da saúde: como aplicar?

LER POST
Há 5 dias

Saiba como é a rotina de um médico emergencista

LER POST
Semana passada

Cuidados paliativos pediátricos: entenda o que são e o passo a passo

LER POST