Gestão baseada em valor: quais são as oportunidades dessa carreira?

  • Home
  • Blog
  • Gestão
  • Gestão baseada em valor: quais são as oportunidades dessa carreira?
Publicada 05/09/2019

Em tempos de orçamentos cada vez menores, é fundamental saber equilibrar os custos com as necessidades e satisfação dos clientes, incluindo qualidade no atendimento. Esses são os pilares da gestão baseada em valor — um conceito que tem ganhado espaço nas discussões sobre novos modelos de gestão da saúde.

O termo ganhou notoriedade com a publicação do livro Redefining Health Care, do pesquisador Michael Porter, da Universidade de Harvard, em 2006. Ele definiu, didaticamente, valor em saúde, como a  geração da maior quantidade de desfechos para um paciente para cada unidade monetária investida.

Com o aumento dos debates sobre cuidado centrado no paciente, entender como a gestão baseada em valor pode auxiliar para o equilíbrio entre qualidade e sustentabilidade na área da saúde é fundamental. A seguir você vai entender mais sobre esse conceito e como se dá a sua aplicação. Confira!
 

O que é gestão baseada em valor?


A gestão baseada em valor consiste na administração balizada pelo seguinte indicador: o valor que a instituição tem a oferecer para o paciente e ao Setor Saúde. Em concordância com Porter, o professor Bruno Riveros, PhD em Economia da Saúde, explica que, pragmaticamente, valor em saúde é determinado pela relação entre os resultados alcançados durante a assistência à saúde, dividido pelos custos inferidos na entrega dos produtos e serviços adquiridos. A partir desse indicador, toda a cadeia do Setor Saúde deveria se reorganizar. 

O professor e médico especialista em Gestão de Cuidados de Saúde Baseada em Valor, Marcelo Nita, explica que a gestão reorganizada para a entrega de valor é uma metodologia mais que necessária para garantir a sustentabilidade do setor. “Até agora a gestão hospitalar foi muito focada em custos, mas quem não começar a fazer a gestão da saúde baseada em valor vai quebrar. É um processo irreversível”.

Isso porque, nos últimos anos, os custos relacionados à saúde vêm crescendo exorbitantemente, com a inflação cada vez maior ano após ano. Além disso, o envelhecimento da população impacta no aumento das despesas. O custo assistencial médio para pacientes entre 54 aos 58 anos é de R$ 3.988,23, enquanto, acima dos 59 anos, esse valor mais que dobra, vai para R$ 8.036,35. 

Dessa forma, o modelo atual de gestão de saúde se torna cada dia mais insustentável. Os custos são muito elevados seja por conta das novas tecnologias, concorrência ou pelo modelo de pagamento praticado. Por isso, a gestão baseada em valor na área da saúde propõe que a remuneração seja realizada de acordo com os resultados alcançados pelo paciente. Logo, condicionar o aumento de gastos ao aumento de resultados ao paciente (promover valor). 
 

Como funciona esse modelo inovador de remuneração?


O conceito de remuneração por performance em saúde faz parte de uma cadeia de desempenho, que tem como objetivo melhorar os resultados e a qualidade dos serviços na área. Esse conceito se aplica tanto de forma restrita, relacionada ao pagamento dos profissionais segundo os resultados alcançados, como também para orientar todos os tipos de contratos envolvidos. 

Atualmente, os problemas mais comuns na área da saúde estão relacionados aos custos do setor estarem se tornando insustentáveis para fontes pagadoras e beneficiários. Além disso, é frequente o desperdício em consequência da baixa qualidade do serviço prestado, que estimula o volume e não o resultado gerado ao paciente. 

Para mudar isso, é preciso definir indicadores e metas a serem alcançadas por esses profissionais. “Para começar, o principal é desenvolver um processo de protocolização dos cuidados. Esses protocolos vão identificar quais são os dados relacionados àqueles desfechos e os custos. A partir desses dados, teremos condições para tomar decisões sobre a remuneração por performance”, explica Nita. 

Indicadores de resultados em saúde podem ser relacionados, por exemplo, à mortalidade e à morbidade, à produção de serviços — consultas, internações e exames — e à satisfação dos usuários. Além desses, também é possível formular padrões de processos, tais como custos envolvidos, tempo de espera, aparelhos utilizados, Recursos Humanos etc. 

A partir da definição de indicadores vai ser possível quantificar e mensurar o quanto cada etapa representa no percentual de pagamento associado à performance, medida pelo alcance das metas. “É só seguir os rastros dos dados que saberemos por onde começar. Todas as indústrias do mundo, hoje, veem os dados de forma muito estratégica. Isso não deve ser diferente para área da saúde”, defende Riveros. 
 

Como é o mercado para a gestão baseada em valor?


O maior desafio para a transição do modelo de serviço para a metodologia de valor é ajustar a forma de pagamento. No entanto, grandes players do setor estão trabalhando no desenvolvimento de projetos com essa abordagem. A própria Faculdade Unimed, por meio do seu curso de curta duração — Gestão baseada em valor: modelos inovadores de remuneração —, promove a formação de grupos para planejar e executar ações orientadas pela saúde baseada em valor.

Desde 2006, quando Michael Porter lançou o seu livro que deu origem ao conceito, há uma movimentação no setor, pensando por onde começar a mudança e como fazê-la. Para Nita, o primeiro passo é preparar os profissionais: “Precisaremos de especialistas em saúde que saibam operacionalizar tais programas de saúde baseada em valor”, declara o médico.

Conforme Porter explica no seu livro, a gestão baseada em valor na área da saúde é uma iniciativa de reestruturação dos sistemas, com o objetivo de ampliar o valor para os pacientes, reduzir a escala de custos e oferecer mais satisfação com serviços prestados. Porém, o pesquisador ressalta que os cuidados são interdependentes, e o impacto será medido a longo prazo. 

No entanto, essa mudança se faz necessária o quanto antes. “É uma questão de sobreviver aos elevados custos do sistema de saúde”, defende Nita. Portanto, iniciativas que promovam essa estratégia são fundamentais para a sustentabilidade econômica do setor e para o tratamento apropriado e eficaz do paciente, com qualidade e precisão. 
 

Quais são os motivos para se especializar em gestão baseada em valor?


A gestão baseada em valor na área da saúde é um mercado que está se aquecendo e crescendo. Em todo o mundo já existem projetos de desenvolvimento desse setor. 

À medida que o movimento for ganhando impulso, a necessidade de profissionais especializados em gestão de valor vai crescer em conjunto. Por isso, essa é uma área em desenvolvimento e com boas oportunidades no mercado de trabalho, visto que será preciso habilidades especiais para gerir toda uma unidade orientada pelo indicador valor.

O curso da Faculdade Unimed vai ao encontro dessa necessidade. O objetivo dele é formar profissionais capazes de implementar práticas de gestão de saúde baseada em valor. Para isso, os alunos terão aulas práticas com discussão de casos de gestão de saúde. Para passar todo esse conhecimento, a equipe de professores teve um treinamento com o próprio professor Porter. 

A gestão de saúde baseada em valor é uma grande tendência do setor. Essa metodologia propõe uma mudança no modelo de remuneração de prestadores e fornecedores. Portanto, para conseguir acompanhar essa e outras transformações, é fundamental que profissionais busquem especializações na área e se mantenham atualizados.

Quer saber mais sobre os cursos da Faculdade Unimed? Entre em contato agora mesmo com a gente e tire todas as suas dúvidas!


Fale com a Faculdade Unimed

Entre em contato pela central de atendimento
clicando aqui ou ligue para: 0800 702 1301



ÚLTIMOS POSTS

Há 5 dias

Gestão de OPME: a importância do cuidado no processo de compra.jpg

LER POST
Semana passada

Afinal, o que é e como funciona a judicialização de medicamentos?

LER POST
03/09/2019

Programa de compliance: 6 dicas para implantar em clínicas e consultórios

LER POST